Pedro Cruz

Pedro Cruz

Piloto de aviões por vocação e geólogo por formação...
Apaixonado congénito por tudo o que tenha a ver com aviões, nutre um gosto muito especial pela aviação militar, pela acrobacia aérea, pela navegação aérea e pela segurança aérea do ponto de vista meteorológico e geofísico.
Adora a ideia de ser um eterno ignorante porque isso permite-lhe estar sempre a satisfazer uma série de outros grandes gostos: estudar, pesquisar, investigar e partilhar o pouco que vai sabendo!

Contactar Pedro Cruz


Céus de Portugal: um espaço aéreo multicultural
Os sotaques deixam adivinhar. As pronúncias não enganam. O inglês aeronáutico que entra e sai pela radiofonia aeronáutica em Portugal vem das mais diferentes partes do mundo. Realçam-se aqui alguns dos problemas associados à língua “oficial” da aviação. O inglês tem cerca de 40 dialectos. A estes juntam-se as versões regionais e as variações locais. Faltam, entre outros, os oxímoros, o calão e as palavras homófonas. A língua inglesa tem, portanto, espaço para umas quantas ambiguidades e outras tantas dualidades, ...
Ver o artigo
Asas de uma esperança que se vê
Se Van Gogh não tivesse visto o mundo, teríamos nós a possibilidade de ver que o pintor holandês era um génio?… Beethoven continuou a compôr quando basicamente já não ouvia… Conseguiria ter continuado a fazê-lo se não visse o que o inspirava?… Se “os olhos também comem“, a comida teria o mesmo sabor se não a víssemos?… O cheiro de uma rosa teria o mesmo significado se nos picássemos num dos seus espinhos porque não conseguíamos vê-los?… Os olhos são ...
Ver o artigo
Do ensinar... a voar... anos que voaram.
“Um amarelo com sabor a caramelo pinta o céu escuro de azul celeste puro… Impossível resistir a uma dentada num dia com uma luz que se espreguiça assim!“… Escrevi eu um dia, a caminho do trabalho, mergulhado na beleza única apenas ao alcance de alguns alvoreceres… Até que me apanhei sentado ao lado de um aluno, no cockpit de um avião, para um voo de instrução!!! Lá irei… Recuemos entretanto a 2009, ano em que entrei no mundo da Formação ...
Ver o artigo
Fogos florestais - Perigos para a aviação
Todos os anos, Portugal é fustigado por fogos florestais. Esses fogos, em particular o fumo deles resultante, podem acarretar sérios riscos para a aviação, nomeadamente para a aviação geral. Perigos para a aviação associados aos fogos florestais e ao seu fumo… PERDA DA SITUATIONAL AWARENESS E DESORIENTAÇÃO ESPACIAL – por redução da visibilidade que pode chegar a um ponto equivalente a IMC; PERDA DE CONTACTO VISUAL COM O TERRENO – o fumo pode ocultar a morfologia do terreno, havendo a ...
Ver o artigo
Cinzas vulcânicas e Segurança Aérea - Parte III
Para fazer face à vastíssima problemática associada aos encontros em voo com cinzas vulcânicas, os primeiros grandes passos formais e oficiais foram dados pela ICAO Navigation Comission, em 1982. Foram então introduzidos SARPs e foram criados diversos organismos e grupos de trabalho vocacionados, muitos deles em exclusividade, para a obtenção de respostas e para o estudo e desenvolvimento de soluções para a mitigação dos riscos associados aos encontros em voo com cinzas vulcânicas. Essencialmente porque as cinzas vulcânicas persistirão como ...
Ver o artigo
Cinzas vulcânicas e Segurança Aérea - Parte II
Embora designadas “cinzas”, as partículas sólidas expelidas durante as erupções dos vulcões não resultam de uma reação de combustão e, à parte do aspecto de algumas delas, nada têm a ver com a cinza macia resultante da queima de madeira ou de papel. As “cinzas vulcânicas” são basicamente compostas por materiais silicosos e, em menores quantidades, por óxidos de alumínio, de ferro, de cálcio e de sódio. Alguns dos compostos que integram a composição química das cinzas vulcânicas são ligeiramente ...
Ver o artigo
Cinzas vulcânicas e segurança aérea - Parte I
O dia 20 deste mês de Março marcou a passagem de seis anos desde o início da erupção do vulcão islandês Eyjafjallajökull. Tal como já aflorado num texto anterior, este evento tornou ainda mais visíveis as muitas fragilidades da aviação perante os fenómenos vulcânicos de grandes dimensões. A esse propósito, o Vice-Almirante Donald Engen escreveu que “Ash clouds are not an everyday issue and they do not provide frequent hazard. But if encountered, volcanic ash can spoil your entire day“ ...
Ver o artigo
"O Espírito nunca aterra"...
“O Espírito nunca aterra“… E se se materializasse, seria certamente uma ave… O espírito tem o poder e a velocidade de um falcão, a resiliência de uma cegonha, a bondade e a generosidade de um pelicano, a determinação de um pica-pau, a majestade de um condor, o encanto do canto das aves canoras, a argúcia de uma coruja, a capacidade da fénix para renascer e para se reinventar e renovar… Até pode ter um lado obscuro de abutre… Mas mesmo ...
Ver o artigo
Por que é que os aviões voam?
Por que é que os aviões voam? – 15 minutos de reflexão Dizem que os meus olhos brilham quando se fala de aviões! Terá sido sempre assim! Quem me conhece desde que sou gente, diz que, ao contrário da habitual oscilação vocacional entre polícia, engenheiro, médico, padre e padeiro, fui sempre peremptório na exclusividade e na unicidade do que eu queria ser quando fosse grande: piloto de aviões! Passaram-se os anos e passei a ter novas hipóteses para ofuscar o ...
Ver o artigo
CAVOK.pt
Consideremos o Comandante de um Airbus A380… Desfila com garbo quatro pedaços de “esparguete” dourados irrepreensivelmente apostos no casaco da sua farda. No tempo livre junta-se aos seus pares no aeroclube de que são sócios. Veste então a pele mais terrena de quem partilha o gosto por “uma das coisas mais divertidas que se pode fazer com a roupa vestida”: voar… A destreza com que solicita ao Primeiro Oficial a programação das páginas de navegação do Flight Management Computer do ...
Ver o artigo
Aviões vs. vulcões
Os vulcões, senso lato, são capazes de despertar o fascínio e o pânico no Homem. Se as torrentes de lava do Kilauea permitem uma visão única e impressionante do pulsar vigoroso e contínuo do globo, as erupções do Vesúvio, do Krakatoa e do Monte de Santa Helena constituem exemplos de demonstrações inequívocas da magnitude e da extensão dos diversos efeitos potenciais dos fenómenos vulcânicos. Nas suas várias formas, o vulcanismo é um agente primário da geodinâmica e um possível responsável ...
Ver o artigo