João Queirós

João Queiroz

Ligado à aviação militar desde 2010 como Oficial Controlador de Tráfego Aéreo na Força Aérea Portuguesa. 

Licenciado em Relações Públicas pelo Instituto Superior da Maia.

Autor e tradutor de vários artigos relacionados com a aviação geral e militar.

 

Contactar João Queirós


Traffic Collision Avoidance System (TCAS)
Ter indicadores de “TCAS Resolution Advisories” nas posições de trabalho dos controladores de tráfego aéreo. Quando o Traffic Collision Avoidance System (TCAS) foi introduzido nas operações, a comunidade dos controladores de tráfego aéreo (ATC) teve na sua generalidade uma atitude negativa. “Irá interferir com o nosso trabalho? Estamos a fazer um bom trabalho, para que precisamos disso? Quero ou preciso de saber sobre isso?”. Questões como esta estavam na cabeça das pessoas. Neste artigo, vamos analisar o que mudou entretanto ...
Ver o artigo
O Sentido de Segurança
“Está tudo a postos para irmos para a neve. Vamos divertir-nos muito! A previsão indica bastante neve, vamos ter cerca de 60cms e digo-te, vamos aproveitá-la ao máximo!” Os dois indivíduos sentados numa mesa próxima da minha no café onde eu estava discutiam e gesticulavam muito animados: “Deixa-me que te diga que para esquiadores avançados compensa investir em material de esqui: protecções para o corpo, cotoveleiras e definitivamente um capacete novo. Tens de ver as últimas evoluções do material, com ...
Ver o artigo
ADERIR FAZ A DIFERENÇA
Por vezes é difícil de perceber. Há marcações, stopbars, e fraseologia referência nos rádios, mas ainda assim verificam-se incursões na pista por parte de aeronaves modernas com tripulações numerosas. Nos cockpit, encontramos tripulações altamente profissionais e treinadas de acordo com procedimentos de operação padronizados (SOP – Standard Operating Procedures). No entanto, há um enorme problema, que leva a incidentes sérios – a distracção! Olhando para o ano de 1981, a Federal Aviation Administration (FAA) introduziu duas regulamentações que visavam proibir ...
Ver o artigo
O risco de colisões na pista – Como sabemos?
Lembro-me de uma reunião dedicada à escolha das prioridades de segurança a nível europeu, há cerca de 15 anos. Foi discutida a possibilidade dum foco específico nos riscos de colisões na pista e alguns dos participantes observaram a ausência de acidentes deste género. Outros, referindo-se à importância das estatísticas, insistiam que a ausência significativa de incursões na pista fazia-os questionar a importância deste assunto. Finalmente, o grupo decidiu que este tema não deveria constar na lista de acções prioritárias a ...
Ver o artigo
Benefícios da "Cultura Justa"
Em Julho de 1972, uma aeronave Hawker Siddeley Trident (G-ARPI) despenhou-se logo após a descolagem do aeroporto de Heathrow. Apesar de felizmente não ter sido fatal para ninguém no solo, os 118 ocupantes não resistiram e a aeronave ficou totalmente destruída. Um investigação detalhada determinou que o acidente ocorreu depois da aeronave ter entrado numa perda impossível de recuperar, derivada de uma resposta inapropriada da tripulação a uma inapropriada configuração das asas. Durante essa mesma investigação, uma das coisas que ...
Ver o artigo
Mal-entendidos nas comunicações ATC
Mal-entendidos nas Comunicações de Tráfego Aéreo O livro “Mal-Entendidos nas Comunicações ATC” (Misunderstandings in ATC Communication) foi escrito por um psicólogo, linguista e piloto, Dr.Imanuel Barshi e por Candace Farris, investigadora na Universidade McGill em Montreal. Este livro analisa de forma abrangente a literatura das comunicações aeronáuticas, reporta um método experimental eficiente de investigação dos aspectos do discurso na aviação e determina recomendações sólidas para a resolução dos problemas defalhas de comunicação. O livro examina combinações complexas de factores, de ...
Ver o artigo
Segurança aérea e automatização
Todas as manhãs, as fitas de progresso de voo eram impressas em folhas A4 e divididas com recurso a um cortador de papel. A primeira consola radar onde trabalhei era feita de plástico azul e estava repleta de botões vermelhos e amarelos, que brilhavam no escuro. Não havia muito para ver no ecran para além dos limites do sector, rumos de aproximação final e o “blip” da aeronave, juntamente com os códigos 3/A e a informação de altitude do Modo ...
Ver o artigo
Desligar a automatização
Desligar a automatização – sabemos como, mas não quando! Tal como no caso dos Controladores de Tráfego Aéreo, os pilotos necessitam de um conjunto de capacidades único, competências, habilidades e de certos traços de personalidade. Alguns destes podem ser treinados, mas outros têm que ser desenvolvidos ao longo dos anos. O que é claro é que o treino de um piloto não é um exercício feito uma vez, mas sim um esforço contínuo para treinar capacidades e desenvolver competências, para ...
Ver o artigo
Automatizar o Controlo de Tráfego Aéreo
Conseguiremos alguma vez automatizar as tarefas dos Operadores de Tráfego Aéreo? O elevador foi o primeiro meio de transporte que abdicou do condutor/operador. Hoje em dia, enviamos naves espaciais à volta do Universo e entramos em metropolitanos/comboios em Paris ou Toulouse que não necessitam de alguém que os conduza. As aeronaves voam pelo globo em piloto automático 99% do tempo. O melhor jogador de xadrez do mundo é um programa de computador. Cada vez mais, os robots assumem as tarefas ...
Ver o artigo