FAIAS – Nova Pista UL

CAVOK.pt

Tal como noticiámos aquando da nova Emenda ao Manual VFR 027/2016, nasceu uma nova Pista para utilização da aviação ultraleve.

FAIAS, localizada na localidade de Faias perto da Nacional 4, a meio caminho entre a cidade do Montijo e Pegões, cerca de 19 Km a És-Sudeste da cidade do Montijo

A pista de solo compactado tem o comprimento de 270m e largura de 20m e orientação 04 / 22.

Esperamos em breve dispor de fotografias aéreas que possam ajudar os aviadores à localização por ar desta pista e aguardamos igualmente que nos façam chegar outros dados de lazer e serviços que possam ajudar a complementar a informação constante no Manual VFR.

Chamamos a atenção uma vez mais a atenção que apesar de não vir referenciado no Manual VFR e dada a sua localização estar inserida dentro da MCTR do Montijo – LP-R26A, com Espaço Aéreo Restrito de classe Delta, a ida para esta pista carece do preenchimento prévio do Plano de Voo. Implica igualmente ter comunicações bilaterais de modo a que possa estabelecer contacto com a Torre do Montijo em 134.100Mhz ou caso contacto negativo, com Lisboa Informação / Militar em 123.750Mhz.

Para descolagem da Pista de Faias deverão submeter um Plano de Voo antes da descolagem com uma antecedência mínima de 30 minutos para que o Plano de voo possa chegar aos Serviços de tráfego Aéreo do Montijo e coordenar a saída previamente antes de descolar ainda no chão, seja na frequência da Torre do Montijo em 134.100Mh, seja com Lisboa Informação / Militar em 123.750Mh, seja ainda por telefone com o ARO de LPMT.

Deverá possuir igualmente Transponder Modo C operativo, introduzindo imediatamente após descolagem ou antes de entrar na área LP-R26A, MCTR do Montijo o código previamente atribuído.

A utilização de FAIAS requer pedido antecipado com 12 horas de antecedência ao seu responsável de pista.

Consulte AQUI os dados da Pista de FAIAS no CAVOK.pt.

Poderá ver aqui as notícias do Aero Clube FAIAS.

Desejamos bons voos e cuidada pilotagem.

José Rocha. 20 Agosto 2016. Actualizado 15 de Outubro de 2016.

4 comments

  • Luís Gama

    Mais uma Grande obra da ANAC! Uma pista só com 270m LDA, será uma ratoeira! Digo eu!

    • João Finto

      Bom dia Sr. Luís Gama, quanto á sua critica relativamente ás dimensões da pista das Faias, não querendo aqui discutir sobre as regras que levam a ANAC a legalizar as respectivas pistas, gostaria de informar de que a pista das Faias está Legalizada com 270+ 30mt de Soleiras o que perfaz na realidade 300mt, devendo lembrarmos de que é uma pista para ULM’s ( e esta na realidade possui uma faixa utilizável com toda a segurança de 470X30mt ).

  • Luís Gama

    Pois… Srs Pilotos Aviadores ou não!
    Eu só discuto Segurança, mas Segurança real no terreno, não em discursos bonitos!
    Não conheço a referida pista, não conheço os obstáculos, nem as distancias declaradas reais, porque a ANAC nestas pistas não as disponibiliza aos utilizadores, mas devia.
    Quem Aprova pistas é a ANAC, eu só desejo a melhor utilização em Segurança.

  • Hugo P.

    Caro Luís Gama apesar de não ter nada a ver com a pista de faias e dada a sua observação, devo dizer-lhe que se é piloto e comandante de uma aeronave que pretende aterrar num dado campo de aviação, tenha ele comprimento de 500m, ou até 1000m , deve ter em conta as necessidades reais da sua aeronave e mais importante ainda da capacidade do piloto ter ou não de utilizar a pista, seja por comprimento, por largura, por morfologia do terreno, meteorologia, seja pelo tipo de pavimento com a pista seja construida seja ainda pela envolvente.

    Assim, acredito que os 270m declarados pelo ANAC, terão em consideração todos os parâmetros de segurança e para a aeronave mais desfavorável a utilizar aquela pista dada a categoria de Ultraleves, mas não desresponsabiliza NUNCA o Piloto Comandante da aeronave das precauções e responsabilidades do planeamento de voo.

    Mais ainda, existem aeronaves no mercado em que os tais 270m (que na realidade são superiores dependendo se estivermos a falar em aterragem, descolagem) apesar de não virem referenciados no Manual VFR, serão mais que suficientes. Veja o caso dos Skyranger, dos QuikSilver ou ainda dos Autogiros….enfim poderia indicar-lhe mais uns quantos.

    A perigosidade de uma pista não está no cumprimento ou na largura, parâmetros que deverão a todo o tempo ser observados mas antes nas condições quer de meteorologia (temperaturas altas) no slope da pista (grande me muitas pistas que inviabiliza descolagens com muito calor numa determinada direcção por exemplo) e num factor ainda mais importante: a atitude do piloto perante a segurança da sua aeronave, do seu passageiro e dos outros utilizadores.

    Ao cavok obrigado pelas indicações de segurança extra que publicaram. Obrigado por estarem atentos à nossa segurança e serem pro-activos.

    Desculpem qualquer coisinha.

    Hugo P.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *