Lições e “Trambolhões” Take Four

1986 Asa Delta Tires

Artigo de Opinião

 

Estávamos nos anos 80 do séc. passado e tínhamos combinado, reunirmo-nos com os amigos pilotos e famílias, onde actualmente é, o campo de võo da Azambuja.

Vinham pessoas de várias partes do País, com os seus ULM Pendulares, na altura sem registo, sem seguro, sem matrícula e a maioria dos pilotos nem tinham licenças, muitos eram quase formados, numa “cena” de autoaprendizagem intervalada de “estampanços”.

A ideia era chegar de manhã, a família preparava o piquenique, estendiam as toalhas no chão, arranjavam como podiam umas sombras, enquanto nós íamos montar os aparelhos e prepará-los para voar.

Na altura eram sempre võos locais, fazendo vários intervalados, desde que não estivesse muito vento.

Eu tinha o meu ULM Pendular há pouco tempo e apesar de fazer já muita bricolage para ficar artilhado, ainda voava com o meu instrutor José Manuel.

Assim depois de estar tudo preparado, combinei com ele que iria a pilotar e ele de pendura, para se certificar que eu estava a pilotar bem.

Depois de tudo verificado, estarmos equipados, motor em marcha (na altura não se aqueciam os motores era “tipo mota, ligar e andar”) e seguimos para a pista, na altura de terra batida (pista agrícola) e começámos a descolar, tudo em ordem, descolamos, passamos a pista já em ascensão e subitamente, o motor pára de rompante …

Foi uma paragem súbita e sem aviso, devíamos estar a cerca de 200 pés e imediatamente o José Manuel pega nos comandos e substitui-me na pilotagem.

Com uma calma assustadora, diz-me para não me preocupar e começa a preparar a aterragem.. Há nossa frente estava um campo enorme de trigo já maduro e grande (mais de 1,5 metros de altura) ! O José Manuel sem qualquer nervosismo ou hesitação, reduz a velocidade e começa a fazer o Flare, mas por cima do campos de trigo, era tudo verde.. não percebi !

Passados alguns segundos, deixei de ver e era mesmo tudo verde, “amarámos” no trigo, uma barulheira indiscritível e passados não mais que 1 ou 2 minutos, um silêncio total.

O resultado era verde, tudo cara, mãos, roupa, triciclo, asa, portanto todos verdes, mas inteiros.

Mas porque raio o motor parou? estava tudo bem !  Sim, mas eu tinha colocado um filtro de gasolina, porque, como sabia, que a gasolina às vezes tinha impurezas que davam problemas.

Depois de uma observação mais cuidada pelo José Manuel, descobriu a causa! Simples, o David tinha posto um filtro de Gasolina e o motor consumia mistura de gasolina com óleo, o que acontecia, era que o filtro ficava entupido, passado algum tempo com o óleo que ficava retido e o motor deixava de ser alimentado de combustível e parava.

 

Lições a tirar:

Nunca voar com filtros de gasolina, mas sim filtros de mistura de gasolina/óleo (motores de 2 tempos)

Não instalar acessórios impróprios para aeronaves

Antes de colocar um acessório, obter informação do fabricante do motor, para saber se este o aceita

David Ferreira

 

24 de Outubro de 2015

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *