ATITUDE – Evitando desvios

Os desvios por parte do piloto podem ocorrer nas várias fases do voo e sob diferentes maneiras. À descolagem, quando o piloto se desvia da clearance ou altitude, do procedimento por instrumentos ou penetra em Espaço Aéreo Controlado, Perigoso, Restrito, Proibido sem autorização ATC ou Lisboa Militar. Desvios em terra incluem rolagem, descolagem ou aterragem sem autorização, desviar-se de um percurso autorizado de rolagem ou ainda rolar para além do limite de uma autorização.

Existem ainda os desvios do próprio piloto ao planeamento feito para o voo desde a descolagem até estar aterrado em segurança no aeródromo ou aeroporto de destino.

Os desvios podem levar a um “desajuste” da Situational Awarness conduzindo assim a acidentes ou incidentes.

Para evitar desvios, aconselhamos a seguir estes 5 passos.

Passo 1: Planear cada voo
cavokpt_IMG_2255Um piloto pode ter voado a mesma rota muitas vezes mas as condições de voo podem mudar, degradar-se lenta ou rapidamente a qualquer altura. Pode estar a violar espaço aéreo devido à activação em tempo real de uma área temporária ou restrita (TRA, R, D ou TSA) para se desviar de factores como meteorologia, turbulência ou condicionantes ATC.
Antes de cada voo, dedique alguns minutos ao planeamento e:

  • Verifique se tem os todos os dados recentes do Espaço Aéreo na rota desde a descolagem até ao destino. Pode verificar alguns desses dados tal como NOTAM’s ou FUA em www.cavok.pt Pode ainda pedir um briefing ao ARO de Lisboa, Porto ou Faro quer telefonicamente, quer através do homebriefing. Pode ainda após descolagem pedir esclarecimentos ao ATC sobre qualquer área que afecte a rota do seu voo (não irá demonstrar que está às escuras quanto ao planeamento mas antes que cumpriu com a sua responsabilidade de Piloto Comandante para adquirir todas as informações relevantes para o seu voo.
  • Verifique se tem um mapa em papel com a rota traçada e o necessário relativo ao espaço aéreo, não vá o GPS ter uma anomalia durante o voo.
  • Considere quais os tipos de espaço aéreo que vai sobrevoar ou cruzar na sua rota. Quais as altitudes ou afastamentos que vai precisar ou ainda que o planeado como rota pode não lhe for concedido pelo ATC ou Lisboa Militar…ter um plano B.
  • Preencher o plano de voo VFR. Isso irá garantir que um outro conjunto de olhos monitoriza o seu voo. O benefício de prevenção de colisões é óbvio e ainda vai ganhar informações em tempo real sobre as áreas temporárias ou restritas (TRA, R, D ou TSA) activas.
  • Instrua os seus passageiros sobre os procedimentos de segurança: em relação aos movimentos do manche e como é perigoso quando mexido indevidamente; o quão perigoso pode ser mexer ou tocar nos botões; a manipulação do cinto de segurança e principalmente como desbloqueá-lo; relativamente à abertura de portas; a importância do silêncio e da escuta das ordens do Piloto Comandante e outras instruções; na ida à casa de banho e demais necessidades fisiológicas antes de entrar na sua aeronave; finalmente no que diz respeito à melhor maneira de desfrutar do voo que você está prestes a realizar. E lembre-se, se o seu passageiro for a primeira vez que irá voar, faça um voo curto, não mais de 15/20 minutos e escolha um dia sem turbulência. Você não conhece as reacções primárias do seu passageiro a qualquer situação “menos normal” durante o voo.

Passo 2: Transmitir e & Squawkar
cavokpt__MG_6785Uma boa comunicação com os órgãos ATC ou Lisboa Militar tem muitos benefícios. Para além de estar a assegurar que um outro conjunto de olhos está a monitorizar o seu voo, o benefício na prevenção de colisões é óbvio, e adicionalmente obterá informações em tempo real sobre áreas temporárias ou restritas activas. Os controladores têm sempre a informação actualizada sobre o espaço aéreo.
Aqui estão algumas dicas:

  • Anote todas as altitudes ou níveis, QNH, velocidade e atribuições de procedimentos e autorizações. Faça isso num bloco de rascunho ou na prancheta.
  • Acuse repetindo/readback dados ou instruções exactamente como foram recebidos, incluindo o seu indicativo.
  • Monitorize continuamente a sua altitude e posição. E faça uma leitura mecânica dos principais instrumentos de voo: Horizonte artificial, altitude, rumo…..Horizonte altitude, rumo….Horizonte, altit…
  • Tenha um plano B. No espaço aéreo Golf pode voar livremente em VFR, podendo ainda assim, em qualquer fase do voo pedir a posição geográfica, que lhe será facultada quase instantaneamente, dependendo da carga de trabalho do controlador ou poder estar sob cobertura radar. Será sempre boa ideia ter um plano alternativo em caso ATC estar em sobrecarga ou se encontrar numa zona cega do radar. Se estiver incerto da sua posição aconselhamos a não descer para olhar para o nome dos locais ou encontrar um local conhecido, lembre-se que terá uma melhor visão da envolvente, dos pontos significativos ou de referência se estiver mais alto e adicionalmente não estará fora da cobertura radar. Fique alto e aguarde a sua vez para perguntar posição terreno. Se você tiver que subir para ser visto no radar deve fazê-lo, a fim de obter vectores, rumos ou posição terrestre precisa por parte do ATC ou Lisboa Militar.

Passo 3: Dê algum espaço ou tempo a si mesmo
Hoje e cada vez mais, temos a certeza na utilização intensiva e exacta do GPS na navegação aérea e em especial na aviação de lazer.
De qualquer forma, nós aconselhamos a ter sempre uma carta em papel como backup, para na eventualidade do equipamento avariar tendo nele sido inserido toda a informação de planeamento do voo.
Use o GPS por exemplo, para voar até e ou ao longo da linha do espaço aéreo que deverá ou terá de evitar. Use-o também amiúde para confirmar a sua posição relativa, na carta em papel.

Aqui ficam algumas dicas relativas ao GPS:

  • Horizontalmente, voar pelo menos uma milha fora de qualquer espaço aéreo que está a tentar evitar. Numa distracção menor, por exemplo, respondendo a uma pergunta de um passageiro ou ATC ou até a alterar uma frequência pode colocá-lo dentro de uma TRA, D, R se não voar a uma distância lateral segura.
  • Verticalmente, voar pelo menos 500ft acima ou abaixo do espaço aéreo que está a tentar evitar.
  • Escolha sempre “transmitir e squawkar” em vez de tentar esgueirar-se sob o espaço aéreo Charlie e ou voar “sozinho” no Espaço Aéreo Golf.
  • Se você tiver conhecimento que uma área ficará activa às 08:00, não é uma boa ideia operar lá até às 07:55.
  • Não planear operar ou sobrevoar uma área TRA, D ou R imediatamente após estar programada para encerrar ou terminar. Confirme sempre que a TRA, D ou R expirou antes de lá operar.

Passo 4: Mantenha-se alerta durante as operações em terra
cavokpt__MG_6874Muitas situações podem e ocorrem frequentemente no chão durante a rolagem.
Existem muitas estratégias para evitar o desvio do piloto no ar e algumas dessas tácticas funcionam igualmente em terra. Aqui estão algumas sugestões para evitar incursões de pista: Planear a sua rota de calços a calços.

  • Consultar o diagrama do aeródromo ou campo de voo antes e durante as operações de rolagem.
  • Acuse repetindo todas as instruções de rolagem, se está num aeródromo controlado.Certifique-se de ter entendido a autorização de rolagem antes de iniciar a marcha. Se houver qualquer dúvida, pare para pedir esclarecimentos.
  • Pedir instruções de rolagem progressivas. Esta é uma excelente maneira de se certificar de que está a cumprir todos os procedimentos, especialmente em aeroportos ou aeródromos controlados desconhecidos.
  • Manter um cockpit estéril ou em silêncio. A conversa deve ser restrita nas operações de rolagem. Não deve haver conversas ou tarefas adicionais enquanto rola. Todo o enfoque deve estar nas instruções de rolagem, sinais e marcas, e ouvindo as transmissões ATC.
  • Não mude de frequência rádio enquanto se movimenta nos caminhos de rolagem.
  • Confirme todos os taxiway ou pistas fechadas por NOTAM.

Passo 5: Final feliz

cavokpt__MG_5833Ok, o voo foi óptimo!!!!!…Tudo correu como planeado e tem o aeródromo ou Pista à vista.
Que tal uma passagem baixa para um final feliz? Hem?!?!…

Por favor, se tem o aeródromo ou pista à vista cumpra apenas com o planeado e esqueça fazer uns “bonitos” ou “manobras extra” à chegada.

Reporte a sua posição, junte-se ao circuito e aterre em segurança!!!

Você não é um especialista ou certificado em acrobacia aérea!

O seu avião não está certificado com as normas acrobáticas ou preparado para acrobacia!!!

Simplesmente mantenha o seu enfoque na aterragem, encerre o seu Plano de Voo e junte-se à sua família ou amigos e fale com eles sobre a liberdade de voar e do prazer do voo….transmita-lhe a sensação de estar a voar como um pássaro!!!

Bons voos e aterragens seguras.

Adaptado por José Rocha

Fonte: FAA

 

 

 

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *